São Paulo (11) 2500
CLIQUE
3029
Ligar
Brasília (61) 3181
CLIQUE
0461
Ligar
Fale Conosco

RECÉM-NASCIDO TEM DIREITO À PLANO DE SAÚDE SEM CARÊNCIA?

12 de agosto / 2020
Direito nas Áreas Médica e de Saúde

Confira essa e outras dúvidas relacionadas à cobertura do parto, ao atendimento do recém-nascido logo após o parto e ao direito de inclusão do filho no plano de saúde sem ter que cumprir carência.

  1. Gestante tem direito à cobertura do parto se contratar o plano de saúde logo após descobrir a gravidez?

A operadora do plano de saúde pode impor prazo de carência de até 300 dias para parto a termo (parto normal), mas é obrigada por Lei a dar cobertura em caso de parto realizado em regime de urgência (parto prematuro), desde que o plano de saúde tenha sido contratado com a segmentação obstétrica.

ATENÇÃO: Quando o parto de urgência ocorrer antes de a mãe completar 180 dias de contratação do plano de saúde, é comum que algumas operadoras limitem a cobertura do parto de urgência apenas às primeiras 12 horas de atendimento, com base na Súmula 25/2012 da Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS), mas essa limitação é considerada abusiva por parte do Poder Judiciário e poderá ser impugnada por meio de ação judicial.

Fontes: Artigo 12, V, “a” da Lei n. 9.656/98 e Item 2.2 e seguintes da Súmula 25/2012 (ANS).

  1. O plano de saúde tem que cobrir as despesas do bebê se este precisar de atendimento médico?

Sim. Tanto o plano de saúde da mãe como o do pai deve cobrir as despesas decorrente do atendimento médico do recém-nascido durante os primeiros 30 dias após o parto, desde que a cobertura obstétrica tenha sido contratada e independentemente de o parto ter sido ou não realizado por meio do plano de saúde.

Fontes: Artigo 12, III, “a” da Lei n. 9.656/98

  1. O bebê recém-nascido tem direito à plano de saúde sem carência?

Sim, desde que a inclusão do recém-nascido como dependente no plano de saúde do pai ou da mãe ocorra em até 30 dias após o parto.

Se, no entanto, o plano de saúde não possuir cobertura obstétrica, mas prever no contrato a possibilidade de inclusão de dependentes, o recém-nascido poderá ser inscrito como dependente, mas terá que cumprir os prazos de carência previstos na legislação.

ATENÇÃO 1: Observe que, independentemente de a mãe ou o pai incluir o bebê como dependente no plano de saúde, o recém-nascido continuará tendo direito ao atendimento médico pelo plano de saúde da mãe ou do pai – contratado com a segmentação obstétrica – durante os primeiros 30 dias após o parto.

ATENÇÃO 2: A Lei assegura o direito à inclusão do recém-nascido no plano de saúde de um dos pais como dependente e sem carência se a inclusão for feita em até 30 dias após o parto, mas a Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS), extrapolando a sua competência legislativa, estabeleceu que se o pai ou a mãe ainda não tiver cumprido o prazo de carência de 180 dias, o recém-nascido terá que também cumprir carência até que o titular do plano de saúde complete 180 dias da contratação, carência essa que pode ser discutida judicialmente, já que não prevista na Lei.

Fontes: Artigo 12, III, “b” da Lei n. 9.656/98 e item 10.2 da Súmula 25/2012 da ANS

  1. O bebê pode ser incluído no plano de saúde da mãe se a mãe for dependente no contrato?

Não, exceto se o bebê se enquadrar na condição de dependente do titular prevista no contrato.

Melhor esclarecendo, há situações em que o plano de saúde foi contratado em nome do pai ou da mãe da gestante (avós do recém-nascido). Nesse caso, a gestante não é a titular do contrato, mas sim um de seus pais, avô ou avó do recém-nascido. Assim, o plano de saúde não está obrigado a permitir a inclusão do recém-nascido no plano de saúde dos avós, salvo se o contrato dispuser nesse sentido.

Tags:

bebê direitos da gestante gestante Plano de Saúde recém-nascido
Deixe o seu Comentário
Compartilhe
Claudineia Jonhsson
Ver Perfil Mais Artigos Fale com a Advogada
6
Comentário(s)
Raquel Sessa
22 de fevereiro, 2021
Olá, Meu filho nasceu dia 10 janeiro e foi solicitado a inclusao no plano dia 8 de fevereiro o plano incluiu dia 9 de fevereiro. E agora eles colocaram ele para cumprir a carência. Eu realmente sou obrigada a cumprir essa carência ? Desde já agradeço
AJ Advogados
25 de fevereiro, 2021
Se o plano de saúde em que seu filho foi incluído tem cobertura obstétrica e ele tiver sido inscrito em até 30 dias do nascimento, não poderá haver imposição de carências. Portanto, se essas duas exigências foram observadas, basta que a senhora comprove isso para a operadora de saúde e exija a regularização. A senhora tem prova de que solicitou a inclusão no dia 08/02? Att.
Talita
03 de janeiro, 2021
Ola. Tive gemeos prematuros. Solicitamos inclusao deles como Dependente do meu plano antes dos 30 dias de vida dos mesmo.s. Porem o plano incluido eles com Carencia! Sendo q eu nao tenho nemhuma carencia a cumprir. Isso ta errado nao esta? Eles deviam entrar no meu plano Sem Carencia ne? Como argumentar isso com o plano, qual lei posso mencionar? Ou so por eles serem prematuros o plano pode exigir carencia dos bbs? Obrigada
AJ Advogados
06 de janeiro, 2021
Olá Sra. Talita. A princípio, se o seu contrato tem cobertura obstétrica, parece que não está correto mesmo. A resposta para a sua pergunta, inclusive o artigo de Lei que sustenta seu direito, está no texto em que a senhora fez esse comentário. Veja o item 3 do texto acima, por favor. Att.
Victor souza
14 de dezembro, 2020
Boa noite ! Minha esposa tem um plano de saúde da Unimed o beta 2 com obstetrícia porém não irá cobrir o parto mas a carência de 180 dias já foi cumprida o bebê pode ser incluído no plano e não ter carência?
AJ Advogados
17 de dezembro, 2020
Sim, desde que a inclusão seja feita em até 30 dias após o parto.
Deixe seu Comentário
Preencha corretamente todos os campos
Restam 500 caracteres
Busca
Arquivos
Araújo & Jonhsson
Advogados Associados
Redes Sociais
Nossos Endereços
São Paulo/SP
Rua Joaquim Távora, 1473
Vila Mariana
Ver Mapa
Brasília/DF
Setor Comercial Norte, Quadra 02, Bloco A nº 190, Sl. 504, Parte M-2, Ed. Corporate Financial Center, Asa Norte
Ver Mapa